“A Lenda do Cavaleiro Verde” abre em setembro a 15ª edição do MOTELX

Primeiros filmes anunciados para o Motelx 2021

Numa conferência de imprensa realizada no Cinema São Jorge, foi apresentada a 15ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, onde foi anunciada a primeira vaga de títulos da programação deste ano que, se as diretrizes impostas pela pandemia permitirem, decorrerá de forma presencial entre 7 e 13 de setembro.

As honras de abertura do Motelx 2021 foram concedidas em antestreia nacional ao épico de aventura medieval “A Lenda do Cavaleiro Verde” (The Green Knight), filme do aclamado realizador David Lowery, uma releitura misteriosa, assustadora e fantasiosa da lenda arturiana de Sir Gawain, protagonizada por Dev Patel, Alicia Vikander e Joel Edgerton.

Imagem do filme A Lenda do Cavaleiro Verde

Segundo a direção do festival, a edição deste ano é inspirada no movimento #MeToo e nos fantasmas da Guerra Colonial para “desconstruir estereótipos ou refletir sobre a memória pessoal e coletiva”, partindo da selecção de filmes feministas para a competição deste ano como o thriller noir tunisino “Black Medusa”, de Ismaël e Youssef Chebbi, e o terror de vingança psicológica canadiano “Violation”, de Madeleine Sims-Fewer e Dusty Mancinell.

A programação também irá incluir uma retrospetiva intitulada “Fúria Assassina – Mulheres Serial Killer”, que junta os escassos filme sobre assassinos em série protagonizados por mulheres, apresentando o biopic de Erzsébet Bathory, a “Condessa Sangrenta” (2009), realizado por Julie Delpy, “Monster” (2004), filme realizado e magistralmente interpretado por Charlize Theron sobre a mais famosa serial killer norte-americana, o filme “Baise-Moi” (2000), de Virginie Despentes e Coralie Trinh Thi, o ritualístico e desconcertante “Audition” (1999), de Takashi Miike, e a sátira puritana de John Waters, “Serial Mom” (1994).

O cinema português marca presença na seleção oficial com o muito antecipado “Um Fio de Baba Escarlate” (2020), de Carlos Conceição, bem como as curtas-metragens “A Terra do Não Retorno”, de Patrick Mendes, e “O Lobo Solitário”, um thriller angustiante e claustrofóbico de Filipe Melo, que fazem parte do lote de 7 filmes já anunciados pata a secção de Curtas Internacionais.

Os 60 anos do início da Guerra Colonial são assinalados na secção Quarto Perdido com a rubrica “O Coração das Trevas Português – A Trilogia (Inacabada) do Ultramar”, que revisita a surpreendente tentativa feita pela dupla produtor/realizador com mais sucesso nos anos 90, Tino Navarro e Joaquim Leitão, que inclui “Inferno” (1999), um filme passado no pós-guerra com veteranos, “Purgatório” (2006), a decorrer num quartel em África durante um bombardeamento, e “Paraíso”, o capítulo ainda por fazer, em torno de jovens na véspera do seu alistamento.

Para a secção Lobo Mau foram já anunciados “The Amusement Park” (1973), que recupera o banido filme institucional de George Romero, e a celebração dos 20 anos da obra-prima “Spirited Away – A Viagem de Chihiro” (2001), de Hayao Miyazaki. Já na Secção X, lançada em 2020, apresenta-se como o espaço de divulgação do cinema de terror mais experimental e underground.

Um dos destaques é o Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa / Méliès d’Argent, que pela primeira vez terá o valor de cinco mil euros, o maior atribuído a curtas-metragens em Portugal. Os concorrentes serão anunciados em Agosto.

No habitual Warm-Up que antecipa o festival, de 2 a 4 de Setembro, será apresentada em estreia mundial absoluta, “As Vizões do Ego – Uma Encenação Pictórica de Edgar Pêra”, que marca a primeira e surpreendente incursão do conhecido cineasta português na pintura, com dramatização luminotécnica de Rui Monteiro e banda sonora de Artur Cyaneto, e o espetáculo “Rapsodo”, com atores consagrados, envolvidos na tranquilizante música de Noiserv.

Com o objetivo de levar o festival a novos públicos e geografias nacionais, foi criada a nova extensão “Volta a Portugal MOTELX “, numa parceria com a NOS Cinemas, com sessões por todo o país após a realização do festival em Lisboa.

Até 2 de Agosto, o público pode ainda submeter curtas até 2 minutos, feitas em telemóvel, tablet ou webcam, que serão a matéria-prima para a secção microCURTAS.

Artigos relacionados

Contribua com a sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *