Álvaro Siza Vieira teve carta branca para programar o ciclo de cinema de Serralves

Álvaro Siza Vieira programou o ciclo de cinema da Fundação de Serralves

A Fundação de Serralves deu “carta-branca” ao arquiteto Álvaro Siza Vieira para programar um ciclo de cinema dedicado às representações da casa no cinema, que vai decorrer a partir desta sexta-feira e até ao próximo dia 12 de outubro.

A iniciativa realiza-de num ano em que o Museu de Serralves, projetado por Siza Vieira, comemora o 20.º aniversário da sua inauguração, mas também, a abertura da Casa do Cinema Manoel de Oliveira, igualmente da sua autoria, em diálogo com a exposição “Álvaro Siza in/disciplina”, atualmente no museu.

No programa elaborado pelo arquiteto constam cinco filmes, entre os quais três de produção nacional, todos com exibição às 18:00 h.

A abrir, será exibido esta sexta-feira, 4 de outubro, “O Arquitecto e a Cidade Velha”, de Catarina Alves Costa, filme que será apresentado por Siza Vieira, que documenta a recuperação da Cidade Velha, na ilha de Santiago, em Cabo Verde, em que o próprio e a sua equipa foram chamados para coordenar o projeto, tendo como objetivo a candidatura desta cidade a Património Mundial da UNESCO. A Cidade Velha é um local histórico: anteriormente chamada Ribeira Grande, foi a primeira cidade fundada pelos portugueses em Cabo Verde (em 1462). Todo este processo suscita na população local grandes expectativas quanto à melhoria das suas condições de vida.

No sábado (5), Catarina Mourão apresenta o seu documentário “A Dama de Chandor”, realizado em 1999, numa cópia digital restaurada, que segue Aida, a Dama de Chandor, uma mulher de oitenta anos que vive sozinha num palácio perdido numa aldeia goesa. O filme conta a sua história, acompanhando o seu esforço diário para preservar a todo o custo esta casa, símbolo visível e palpável da sua identidade, que sente ameaçada.

Já no domingo (6) é a vez de “A Janela Indiscreta”, uma das várias obras-primas de Alfred Hitchcok, que será exibido em formato 4K e terá apresentação de Nuno Grande. Descrito como um filme onde a arquitetura é personagem central, o protagonismo esteve a cargo de James Stewart, que interpretou um repórter fotográfico que é obrigado a ficar no seu apartamento em Nova Iorque, numa cadeira de rodas, porque partiu uma perna. Para se distrair, começa a observar a vida dos habitantes cujas janelas dão para o pátio interior do quarteirão.

O ciclo regressa a 11 de outubro, uma sexta-feira, com “The Apartment (1960)”, de Billy Wilder, filme que conquistou cinco Óscares, incluindo o de Melhor Filme e Melhor Realização. Esta cópia digital restaurada em formato 4K será apresentada por Luís Urbano. Protagonizado por Jack Lemmon e Shirley MacLaine, a trama do filme em que um apartamento para as aventuras extraconjugais dos seus patrões é o centro de uma intriga.

A fechar o ciclo, Alexandre Alves Costa apresentará um dos mais emblemáticos trabalhos de Manoel de Oliveira, “Vale Abraão (1993)”, que conta a história de Ema e os seus três amantes que conhecerá durante o desenrolar da trama. Esta sessão também está incluída no Ciclo de Cinema Portas Abertas.

Para mais informações consulte o site oficial da Fundação de Serralves.

Artigos relacionados