“As Lições de Persa”: Mentir para sobreviver ao Holocausto

Nesta quinta-feira, 26 de maio, chega aos cinemas portugueses o drama de guerra “As Lições de Persa” (Persischstunden), um filme realizado pelo cineasta ucraniano Vadim Perelman, que adapta o romance do cineasta e argumentista alemão Wolfgang Kohlhaase, que nos conta uma história de sobrevivência baseada numa mentira durante a Segunda Guerra Mundial.

O protagonista do filme é o jovem belga judeu Gilles, interpretado pelo ator argentino Nahuel Pérez Biscayart, que em 1942, durante a França ocupada, é preso por soldados das SS, juntamente com outros judeus, e enviado para um campo de concentração na Alemanha. Contudo, consegue evitar por pouco a execução imediata, jurando aos guardas que não é judeu, mas persa.

Essa mentira salva-o temporariamente, mas Gilles é encarregado de uma missão de vida ou morte: ensinar a língua persa a Klaus Koch (Lars Eidinger), o chefe da cozinha do campo de concentração, que tem o sonho de abrir um restaurante no Irão quando a guerra acabar. Através de um truque engenhoso, Gilles consegue sobreviver inventando todos os dias palavras em “farsi”, uma língua que não conhece, e ensinando-as a Koch. Conforme a relação pouco habitual entre os dois floresce, começa um clima de suspeita e de medo pela descoberta da trama.

O filme representa uma nova incursão no Holocausto, mostrando a injustiça radical da guerra, em que vítima e carrasco entendem-se numa linguagem inédita, em que as palavras inventadas por Gilles têm origem nos nomes e sobrenomes dos prisioneiros.

Assista ao trailer legendado de “As Lições de Persa”, uma proposta interessante para ver nos cinemas

Artigos relacionados