“COVID-19”: Cinemas NOS e outros operadores decidem encerrar a partir de hoje

Cinemas portugueses encerram salas devido ao coronavírus

Face ao surto de coronavírus (COVID-19) em Portugal, muitos dos exibidores portugueses estão a encerrar as suas salas de cinema por tempo indeterminado, como meio de combate à pandemia e por considerarem que as medidas de restrição do número de espetadores são insuficientes.

A NOS Cinema, a maior operadora nacional com 40,9% do total, anunciou o encerramento das mais de 200 salas espalhadas pelo país a partir desta segunda-feira, 16 de março.

“Face à situação da pandemia COVID19, a NOS Cinemas decidiu encerrar os 31 complexos de cinemas e as 219 salas em todo o país. Apesar de já estarem em vigor medidas de prevenção que acautelavam a proteção de clientes e colaboradores como, por exemplo, a redução da capacidade das salas em 50% até um máximo de 150 pessoas por sala, a realização de sessões sem lugares marcados e o reforço da limpeza e higienização, a empresa decidiu que o cancelamento é a medida adequada numa fase em que é crítica a permanência em casa das pessoas e das famílias portuguesas”, refere a NOS em comunicado.

A NOS salienta também que a medida será aplicada “pelo tempo que se justificar” e que continuará “a acompanhar o evoluir da situação”, juntando-se assim a outros operadores que já tinham anunciado a suspensão de atividade em todas as suas salas por causa do coronavírus.

Na passada sexta-feira, a Castello Lopes Cinemas e o Cinema Ideal (Lisboa) informaram os seus clientes do encerramento das suas salas, uma decisão que já tinha sido anunciada anteriormente pelo Cinema Trindade (Porto). O Espaço Nimas e a Cinemateca Portuguesa também estão de portas fechadas.

Até informação em contrário, grandes operadoras como o Cineplace, UCI Cinemas e o Cinema City continuam em atividade, com um conjunto de procedimentos/regras que visam reduzir o contágio, entre as quais, a venda de bilhetes para lugares alternados para garantir distância social.

Artigos relacionados