Curtas Vila do Conde anuncia programação completa da 30ª edição

A organização do Curtas Vila do Conde anunciou esta terça-feira a programação completa da 30ª edição, que terá lugar entre os dias 9 e 17 de julho, um festival que volta a ser marcado por um programa competitivo que “compila descobertas, nomes consagrados e olhares sobre a nova geração de realizadores a saírem das escolas de cinema”.

De acordo com o comunicado oficial, na Competição Internacional para este ano de 2022, destacam-se os novos filmes de Radu Jude, Antonin Peretjatko, Hlynur Pálmason, Yann Gonzalez e Tsai Ming-liang, enquanto que na Competição Nacional, vão passar filmes que estrearam em Cannes e Berlim, entre os quais, as estreias nacionais de “Aos Dezasseis”, de Carlos Lobo; “Ice Merchants”, de João Gonzalez; “Garrano”, de David Doutel e Vasco Sá ,e “Skola di Tarafe”, de Sónia Vaz Borges e Filipa César.

Filme “Ice Merchants”

Fora dos programas competitivos, a secção Da Curta à Longa, apresenta as estreias nacionais de “Fogo Fátuo“, de João Pedro Rodrigues, “O Joelho de Ahed”, de Nadav Lapid, e “Saudade do Futuro”, de Anna Azevedo Gomes. Esta sessões serão apresentadas pelos seus realizadores, seguidas de conversas com o público. Fora das competições, o Curtas Vila do Conde passará ainda “O Homem do Lixo”, de Laura Gonçalves, “Azul”, de Ágata Pinto, “Tornar-se Um Homem na Idade Média”, de Pedro Neves Marques, “By Flávio”, de Pedro Cabeleira e “Catraias”, de Tânia Dinis.

Na secção New Voices, estaráa realizadora francesa Céline Devaux, num programa que integra, entre outros, “Toda a Gente Gosta de Jeanne”, coprodução portuguesa rodada em Lisboa E que estreou na última edição do festival de Cannes.

A programação inclui ainda filmes de Radu Jude, nome maior do cinema romeno, que traz “The Potemkinists”, uma comédia sobre a arte, a memória e a força da resistência; Tsai Ming-Liang apresenta, em “The Night”, um hipnotizante retrato sobre o ritmo, a beleza e as mudanças da cidade de Hong Kong; o islandês Hlynur Pálmason filma, em “Nest”, uma história onde três irmãos constroem juntos uma casa na árvore durante um ano; e Antonin Peretjatko regista, em “Yellow Saturday”, dois anos de Coletes Amarelos vistos pelos olhos de um homem com a mesma idade de Emmanuel Macron.

Filme “Yellow Saturday

A 30ª edição do Curtas integra também um programa especial desenvolvido para jovens e público familiar, o Curtinhas e o My Generation, a competição Take One! dedicada a filmes de escola e uma seleção de curtas proposta pela European Film Academy. No programa Stereo, será exibido “Agora e Para Sempre”, documentário sobre a história e percurso dos Da Weasel. A destacar ainda Curtas 30 Anos, Exposição Documental, uma viagem pela história e evolução do Curtas, através de um conjunto de folhetos, cartazes, catálogos, livros e outras publicações que marcaram estes últimos 30 anos.

A Competição Experimental apresentará 19 obras em estreia nacional, entre as quais “When There Is No More Music To Write, And Other Roman Stories”, de Eric Baudelaire e “A Human Certainty”, de Morgan Quaintance.

Conforme anunciado anteriormente, a programação inclui os focos nos realizadores espanhóis Carla Simón, com a antestreia nacional de “Alcarràs“, e Chema García Ibarra, assim como o programa expositivo e cinematográfico proposto por Marie Losier e David Legrand, e os programas de Cinema Revisitado com enfoques na obra de António Campos, François Reichenbach e Alain Resnais.

O programa completo da 30.ª edição está disponível no site oficial do Curtas de Vila do Conde.

COMPETIÇÃO NACIONAL

– “2ª Pessoa”, de Rita Barbosa (17’)
– “Aos Dezasseis”, de Carlos Lobo (14’)
– “As Sacrificadas”, de Aurélie Oliveira Pernet (22’)
– “Garrano”, de David Doutel e Vasco Sá (14’)
– “Heitor Sem Nome”, de Vasco Saltão (29’)
– “Ice Merchants”, de João Gonzalez (14’)
– “Mangrove School”, de Sónia Vaz Borges e Filipa César (34’)
– “O Casaco Rosa”, de Mónica Santos (8’)
– “O Teu Peso em Ouro”, de Sandro Aguilar (26’)
– “Pê”, de Margarida Vila-Nova (20’)
– “Raticida”, de João Niza Ribeiro (22’)
– “Saturno”, de Luís Costa e André Guiomar (13’)
– “See You Later Space Island”, de Alice Reis (17’)
– “Uma Rapariga Imaterial”, de André Godinho (42’)

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

Aos 14 filmes da competição nacional juntam-se:

– “A Story For 2 Trumpets”, de Amandine Meyer (5’)
– “A Town Called Panic: The Summer Holidays”, de Vicent Patar e Stéphane Aubier (26’)
– “Agrilogistics”, de Gerard Ortín Castellví (21’)
– “Brutalia, Days of Labour”, de Manolis Mavris (26’)
– “Character”, de Paul Heintz (39’)
– “Chords”, de Estibaliz Urresola Solaguren (30’)
– “Datsun”, de Mark Albiston (15’)
– “Happy New Year, Jim”, de Andrea Gatopoulos (9’)
– “Haulout”, de Evgenia Arbugaeva e Maxim Arbugaev (25’)
– “Hideos”, de Yann Gonzalez (22’)
– “I Remember It Rained”, de Connor Simpson (12’)
– “I Trought the World of You”, de Kurt Walker (17’)
– “In the Afternoon Shade”, de Marin Gérard (34’)
– “It’s Nice in Here”, de Robert-Jonathan Koeyers (16’)
– “Language of Birds”, de Erik Bullot (54’)
– “Loie Fuller – The Electric Sprite”, de Betina Kuntzsch (16’)
– “Maria Scheneider, 1983”, de Elisabeth Subrin (25’)
– “Nest”, de Hlynur Pálmason (29’)
– “Seabreaker”, de Eloy Domínguez Serén (26’)
– “Scale”, de Joseph Pierce (14’)
– “Slow Light”, de Katarzyna Kijek e Przemysław Adamski (11’)
– “The Bones”, de Cristóbal León e Joaquín Cociña (14’)
– “The Diamond”, de Vedran Rupic (14’)
– “The Flying Sailor”, de Wendy Tilby e Amanda Forbis (8’)
– “The King Who Contemplated the Sea”, de Jean-Sébastien Chauvin (24’)
– “The Night”, de Tsai Ming-Liang (19’)
– “The Potemkinists”, de Radu Jude (18’)
– “Woman Visiting a City”, de Enrique Bulleo (14’)
– “Yellow Saturday”, de Antonine Peretjatko (52’)

Artigos relacionados

Contribua com a sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado.