“Erva Daninha”, de Guilherme Daniel, venceu o prémio de Melhor Curta de Terror Portuguesa do MOTELX

Curta "Erva Daninha" de Guilherme Daniel venceu o Motelx 2019

“Erva Daninha”, de Guilherme Daniel, venceu o Prémio de Melhor Curta de Terror Portuguesa/Méliès d’Argent 2019 da 13ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, que terminou ontem.

O filme retrata a história de um casal que cultiva um terreno aparentemente infértil e que um dia encontra na terra uma semente negra que virá a crescer e influenciar os seus comportamentos. Esta é a segunda vez que o realizador português ganha este prémio, depois de em 2018 ter vencido com “A Estranha Casa na Bruma”.

O júri composto por Samuel Úria, Howard David Ingham e Raquel Freire justificou assim esta escolha: “Erva Daninha foi o filme que mais nos surpreendeu; ficámos fascinados e perturbados desde o início. Numa competição muito forte, soube comunicar verdadeiramente uma estranheza sobrenatural, e é um filme que nos dá a sensação de ser única e autenticamente Português”. O júri destacou ainda as interpretações “tremendas e sensíveis” dos actores Daniel Viana e Isabel Costa.

Ainda de acordo com a notícia oficial, o júri decidiu atribuir uma Menção Especial a “Häuschen – A Herança”, de Paulo A. M. Oliveira e Pedro Martins, “uma versão moderna do clássico conto de fadas negro” que considerou “muito forte em todos os sentidos”, mas em particular pelo seu “final bem conseguido, construído de maneira a ser simultaneamente perturbador e satisfatório para o público”.

“Erva Daninha” fica automaticamente seleccionada para o Prémio Méliès d’Or, que será atribuído pela Federação Europeia de Festivais de Cinema Fantástico numa cerimónia em Sitges no próximo dia 6 de Outubro.

Na competição internacional, “Why Don’t You Just Die!”, a primeira longa-metragem do cineasta russo Kirill Sokolov, conquistou o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia / Méliès d’Argent 2019, que o júri composto por David Gregory, Miguel Gonçalves Mendes e Rita Anjos consideram uma “decisão difícil”, justificando-a pela “grande frescura e audácia” do filme que se destaca pelos seus “múltiplos twists e humor negro”.

O filme mostra um jogo frenético de gato e rato entre um detective e “pior pai do Mundo”, uma filha ressentida, o seu namorado, um polícia enganado e um bandido enraivecido que é também um comentário cáustico sobre as contradições da sociedade moderna russa.

“The Hole in the Ground”, do irlandês Lee Cronin, foi agraciado com uma Menção Especial atribuída pelo júri pela “precisão e controlo da atmosfera de suspense” e por “interpretações excepcionais”.

O grande vencedor do Prémio do Público foi para um dos filmes de terror mais aguardados do ano, “Midsommar – O Ritual“, de Ari Aster, realizador que foi um convidado especial do MOTELX 2019. A estreia nas salas nacionais está marcada para 26 de setembro.

Artigos relacionados