Europa 6.1: Festival de Cinema Europeu online e gratuito

Europa 6.1 Mostra de Cinema Europeu online e gratuito

A 2ª edição do Europa 6.1 – Mostra de de Cinema Europeu que estava previsto para ser realizado no passado mês de maio na cidade do Porto, mas que foi adiado devido à pandemia, vai decorrer de 15 a 30 de novembro em formato online.

Organizada pela Representação da Comissão Europeia em Portugal e a rede EUNIC Portugal, a edução deste ano serve como compensação pela ausência e propor ao público português uma seleção de filmes que podem ser visualizados gratuitamente na plataforma Jangada-VOD.

No total serão sete filmes provenientes da Áustria, França, Hungria, Luxemburgo, Polónia, Portugal e República Checa, com sete olhares diferentes e histórias “que diluem as fronteiras territoriais e celebram a cidadania europeia”.

Conheça os filmes que fazem parte da programação do festival:

– “Macondo”, de Sudabeh Mortezai – 2014 I 98’ I Drama I Áustria

Às margens do Rio Danúbio, no distrito vienense de Simmering, pessoas de todo o mundo reúnem-se em Macondo, um assentamento de refugiados, onde moram aproximadamente 3000 pessoas à espera de um asilo. Entre elas, Ramasan e a sua família, fugidos da Chechénia na sequência dos confrontos com os russos. Órfão de pai, o miúdo esforça-se ao máximo para assumir o papel de patriarca, cuidando das suas irmãs e da sua mãe. Mas quando um homem chamado Isa, antigo amigo do pai de Ramasan, chega em Macondo, a vida do menino fica transtornada.

– “A Vida nos Bosques”, de Alain Raoust – 2019 I 92’I Drama I França e Portugal

Salomé arranja um biscate de verão no sítio mais improvável do mundo: um aterro de resíduos sólidos urbanos, vulgo lixeira municipal, desterrado junto a uma pequena aldeia. É neste lugar, sob um sol inclemente, e no final da adolescência, que se sucedem os encontros inesperados, uns menos infelizes do que os outros.

– “Brasileiros”, de Csaba M. Kiss e Gábor Rohonyi – 2017 I 95 I Comédia I Hungria – (Disponível até 25 de novembro)

A aparente tranquilidade da aldeia de Acsa é abalada quando o presidente da Junta de Freguesia anuncia que, naquele ano, a equipa “Brasileiros” — formada por jogadores de etnia cigana — poderá participar, pela primeira vez, no campeonato local de futebol. Todos jogam e todos querem ganhar, até porque um misterioso benfeitor oferece como prémio ao vencedor uma viagem ao Brasil. Quando a competição arranca, as coisas tomam rumos surpreendentes. Rivalidades, amores inesperados, muitas peripécias e uma lenta aproximação fora e dentro de campo, numa história contada com humor que assume um duplo compromisso com o sentido real e mágico da vida.

– “Histórias de Hortas Comunitárias”, de Yann Tonnar – 2011 I 55 min I Documentário I Luxemburgo

Documentário sobre hortas no sul de Luxemburgo loteadas para jardinagem individual e organizadas por uma comunidade local. A tradição remonta ao início da produção de aço nesta região, mas hoje assiste ao fim desta era, bem como a uma profunda mudança social, impulsionada por uma população imigrante, que hoje ronda os 50%, onde os luxemburgueses reformados se confrontam com os trabalhadores da construção portugueses, ou com uma nova onda de imigrantes da ex-Jugoslávia. Cada qual com seus próprios hábitos em relação ao cultivo de repolhos, à construção de barracos de jardim, ou simplesmente às festas de churrasco.
.
– “Fuga”, de Agnieszka Smoczyńska – 2018 I 100’ I Ficção I Polónia

Alicia perdeu a memória e não sabe como chegou aqui. Em dois anos, consegue reconstruir-se: mudada, independente, longe de casa. Não deseja recordar o passado. Assim, quando a família a encontra, é obrigada a assumir o papel de mãe, filha e mulher, rodeada de pessoas que parecem ser desconhecidos. O que sobra quando nos esquecemos que amamos alguém? É necessário recordar o amor para sermos felizes?

– “Ramiro“, de Manuel Mozos – 2017 I 104’ I Comédia I Portugal

Ramiro é alfarrabista em Lisboa e poeta em perpétuo bloqueio criativo. Vive, algo frustrado, algo conformado, entre a sua loja e a tasca, acompanhado pelo cão, pelos fiéis companheiros de copos e pelas vizinhas: uma adolescente grávida e a avó a recuperar de um AVC. De bom grado continuaria nesse quotidiano pacato e algo anacrónico se eventos dignos da telenovela da noite não invadissem essa bolha.

“Karel, Eu e Tu”, de Bohdan Karásek – 2019 I 111’ I Ficção I República Checa

Um filme que reflete sobre a estabilidade dos relacionamentos, a opção de escolher um único parceiro para a vida e, numa perspetiva mais ampla, uma reflexão sobre a vida aos trinta anos, como é aqui e agora, do ponto de vista feminino e masculino. Devido a uma crise no casamento, Saša afasta-se de Karel, encontrando um refúgio temporário em Dušan, um velho amigo do casal. Os personagens principais exploram a natureza fugaz dos relacionamentos e lançam luz sobre si mesmos, a partir das suas perspetivas pessoais.

Artigos relacionados

Contribua com a sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *