FESTin: Festival de cinema vai decorrer pela primeira vez no Porto

Festival de cinema FESTin realiza-se no Porto

Inicialmente programada para arrancar em abril no Cinema São Jorge, em Lisboa, a 11ª edição do FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, foi adiado devido às medidas decretadas pelo governo e pela Direção-Geral da Saúde, como forma de combater a propagação do coronavírus.

Depois de 10 edições realizadas em Lisboa, a organização anunciou em comunicado que “a festa do cinema em Português” vai chegar finalmente à cidade do Porto. O evento decorrerá de 9 a 13 de setembro no Tropical Hub, situado na Avenida de Montevidéu, na Foz do Douro.

No jardim do novo espaço cultural portuense, ao ar livre, serão exibidos, sempre às 20:30h, filmes inéditos em Portugal, e, durante os dias de mostra, entre as 10:00h e as 13:00h, decorrerá a oficina de Interpretação para TV e Cinema, “A Alma Através do Olhar”, dirigida a maiores de 14 anos, interessados na arte da atuação.

O FESTin Porto arranca no dia 9 (quarta-feira) com a premiada longa-metragem “Alice Júnior“, de Gil Baroni, recentemente exibida na Berlinale, que conta a história de Alice Júnior, uma youtuber trans. Um filme “que fala sobre a adolescência, suas inquietações, seus sonhos, e retrata a escola como um ambiente de ensino indispensável, mas que muitas vezes pode ser opressor”.

Na quinta-feira (10) é exibido o documentário “Rogéria, Senhor Astolfo Barroso Pinto“, de Pedro Gui, que conta a vida e a trajetória artística da transformista brasileira Rogéria a partir da dualidade entre artista e personagem. O filme que aborda “questões de género, preconceito e afirmação de direitos no Brasil”.

Para o dia 11 foi escolhido o “docudrama” português “Rapaz Só“, de António Borges Correia, que conta a história de Hugo, que depois de ver a mãe e os irmãos mais novos emigrarem, imagina um filme sobre a sua solidão. Conhece um realizador e propõe a sua ideia, um filme onde representará o seu papel com os personagens reais que o rodeiam.

No dia 12 é a vez de “Pacarrete“, musical “dramédia premiadíssimo” de Allan Deberton, sobre a bailarina idosa Pacarrete, considerada louca, que vive numa cidade do interior do Brasil. Na véspera da festa de 200 anos da cidade, decide fazer uma apresentação de dança, como presente “para o povo”. Mas parece que ninguém se importa.

A fechar esta edição do FESTin, no dia 13, é exibida a comédia “Maria do Caritó“, de João Paulo Jabur, que acompanha Maria (Lília Cabral), uma mulher que sonha em encontrar um verdadeiro amor. Prometida pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha, um santo de quem ninguém nunca ouviu falar, só mesmo um milagre poderia ajudar.

Todas as atividades são gratuitas e condicionadas à lotação do espaço, realizadas cumprindo as normas de segurança definidas pela DGS. Para assistir aos filmes é necessária uma reserva prévia ou no dia da sessão, por ordem de chegada. A participação na oficina requer uma inscrição até ao dia 8 de setembro. Para mais informações aceda ao site oficial do FESTin.

Em dezembro, o festival retorna a Lisboa, no tradicional Cinema São Jorge e em parceria com a Casa da América Latina, ocasião em que reunirá realizadores, produtores, artistas e o público do cinema falado em português.

Artigos relacionados

Contribua com a sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *