Filmes da Warner Bros. passam a ser distribuídos em Portugal pela Cinemundo

Cinemundo vai distribuir filmes da Warner Bros

A distribuidora portuguesa Cinemundo apresentou nesta quarta-feira (26) a estratégia para o seu futuro e revelou grandes novidades em termos de estreias cinematográficas para o segundo semestre de 2021.

Presente no mercado desde 2014, a distribuidora nacional anunciou agora que o catálogo de filmes da Warner Bros. Pictures vão juntar-se ao seu portófio, onde já consta desde abril de 2020 o catálogo da Universal Pictures, posicionando-se desta forma como uma forte aspirante à liderança do mercado de distribuição de cinema em Portugal.

Os filmes da Warner Bros, chegavam a Portugal através da líder do mercado NOS Audiovisuais, mas com esta alteração no mercado cinematográfico, a Cinemundo será agora a responsável pela distribuição de filmes como “O Esquadrão Suicida” (5 de agosto), “Duna” (setembro) e “The Matrix 4” (dezembro).

Com a chancela da Universal estão anunciadas as estreias de “Velocidade Furiosa 9”, que chegará aos cinemas nacionais a 24 de junho, “Halloween Mata” (14 de outubro), as animações “Os Croods: Uma Nova Era” (1 de julho), “Boss Baby: Negócios de Família” (30 de setembro) e “Cantar 2” (2 de dezembro), bem como “Old”, filme de M. Nigh Shyamalan (22 de julho), e “Downtown Abbey 2” (23 de dezembro).

Segundo a Cinemundo, os dois catálogos representam cerca de 35% do mercado de distribuição em Portugal, que assim irão juntar-se aos 8% que a empresa representa no mercado dito de distribuição independente, contribuindo para um maior balanceamento entre os principais players.

“Através da distribuição dos dois catálogos de peso como a Universal Studios e a Warner Bros Pictures, a Cinemundo tem a convicção, de que contribui para um mercado do cinema mais justo e equilibrado em Portugal, uma vez que o mesmo deixa de estar verticalmente integrado num único player, posicionando a Cinemundo como uma distribuidora em franco crescimento, um nome a ter em conta no meio cinematográfico nacional, com uma variada oferta de filmes e sucessos, que vão desde os blockbusters internacionais, às apostas independentes”, referiu Miguel Chambel, CEO da Cinemundo.

Para Nuno Gonçalves, diretor-geral da Cinemundo, há outro objetivo definido: “Com o catálogo da Universal Pictures e da Warner Bros queremos discutir o primeiro lugar do mercado da distribuição cinematográfica”, com a NOS Audiovisuais.

Artigos relacionados