Iraniano Jafar Panahi ganha o Urso de Ouro em Berlim com ‘Táxi’

O filme ‘Táxi’ do realizador iraniano de 54 anos, Jafar Panahi, ganhou ontem o Urso de Ouro, prémio máximo do Festival de Cinema de Berlim, mas o cineasta esteve ausente no evento porque está proibido de deixar seu país.

Panahi está proibido de realizar sua atividade no Irão, onde o regime considera subversiva a sua visão crítica da sociedade. Detido por causa de um documentário que estava a filmar sobre os distúrbios a respeito da polémica eleição presidencial de 2009, foi proibido de fazer novos filmes durante 20 anos, além de uma pena de prisão de 6 anos, por atentado contra a segurança do Estado e ato de propaganda contra o regime.

O cineasta conseguiu recuperar uma liberdade precária que lhe permite filmar clandestinamente, mas não sair do país.

“Taxi” apresenta impressões da Teerão contemporânea através das janelas de um carro e cada passageiro que transporta apresenta uma história e pontos de vista sobre a realidade do país.

A Midas Filmes já anunciou que vai distribuir o filme brevemente em Portugal, assim como, ‘El Botón de Nácar’ de Patrício Guzmán que ganhou o Urso de Prata para Melhor Argumento.

O Grande Prémio do júri do festival foi para “El Club”, quinta longa-metragem do chileno Pablo Larraín. O filme, que denuncia os mecanismos dos casos de pedofilia da Igreja católica, conta a história de um grupo de padres com passado obscuro expulsos para uma casa de oração e penitência.

Veja um videoclipe:

Artigos relacionados