“Marilyn” venceu a competição de longas-metragens do Queer Lisboa 22

Marilyn venceu o Quer Lisboa 22

Terminou no passado sábado, o Festival de Cinema Queer Lisboa 22, com a sessão de encerramento realizada no Cinema São Jorge em Lisboa, onde foram anunciados os vencedores de todas as secções competitivas.

“Marilyn”, o segundo filme do realizador argentino Martín Rodríguez Redondo, foi o vencedor da competição de Longas-Metragens, descrito pelo júri como “uma linguagem nunca manipuladora, um olhar realista que nos propõe um retrato de uma pesada sociedade. A batalha, perdida desde o seu início, da beleza e do horror onde a única libertação possível é pela tragédia, que não conhece um fim.”

O prémio de Melhor Atriz foi para Kristín Thóra Haraldsdóttir pela sua interpretação em “And Breathe Normally”, de Ísold Uggadóttir. Já o prémio de Melhor Ator foi atribuído a Victor Polster, por “Girl“, realizado por Lukas Dhont, filme que venceu o Prémio do Público e que é o candidato da Bélgica ao Óscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira.

O Júri atribuiu ainda uma Menção Especial a “Tinta Bruta”, produção brasileira realizada por Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, considerada “uma narrativa com uma linguagem orgânica sobre uma geração num universo agressivo. Um filme representativo de um país que se tornou uma prisão para as minorias e para a sua juventude.”

Na Competição de Documentário o prémio principal foi atribuído a “Room for a Man”, de Anthony Chidiac. “Cartas para um Ladrão de Livros”, dos brasileiros Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, recebeu uma Menção Especial. O Prémio do Público foi para o documentário italiano “Lunàdigas – Ovvero Delle Donne Senza Figli”, de Nicoletta Nesler e Marilisa Piga.

“Would You Look At Her”, do macedónio/australiano Goran Stolevski, foi o vencedor do Prémio de Melhor Curta-Metragem, com o júri a atribuir uma Mencão Especial a “O Órfão”, curta da brasileira Carolina Markowicz, que acumulou o Prémio do Público.

O Prémio de Melhor Filme de Escola da competição In My Shorts, foi para a curta-metragem “Mathias”, realizado por Clara Stern, enquanto que, a Menção Especial foi atribuída a “Three Centimetres”, de Lara Zeidan.

O filme brasileiro “Inferninho”, realizado por Guto Parente e Pedro Diogenes, foi o vencedor do prémio de Melhor Filme da Competição Queer Art, com “Martyr”, de Mazen Khaled, a merecer uma Menção Especial do júri.

Com a exibição de 100 filmes de 32 países diferentes, o Queer Lisboa 22 teve um acréscimo de espectadores em relação à sua edição anterior, segundo a organização, que já anunciou que o Queer Lisboa 23 irá decorrer de 20 a 28 de setembro de 2019. Antes, de 10 a 14 de outubro, irá decorrer na cidade invicta o Queer Porto 4.

Artigos relacionados