Morreu a atriz portuguesa Fernanda Borsatti aos 86 anos

A Casa do Artista anunciou a morte, nesta manhã, da atriz portuguesa Fernanda Borsatti, aos 86 anos, no Hospital da CUF, em Lisboa, vítima de doença prolongada.

A versátil atriz, nascida em Évora, a 1 de setembro de 1931, interpretou ao longo da sua carreira artística, vários géneros teatrais, onde se incluem revistas, comédias e peças dramáticas, passando por várias companhias de teatro, nomeadamente o Teatro Maria Vitória, o Teatro Maria Matos, a Companhia Laura Alves e a Companhia Raul Solnado.

Na TV fez parte do elenco de várias telenovelas e séries, sendo a sua última participação como atriz em 2011, num episódio de “O Último Tesouro”. “A Dama das Camélias (1962)”, “Eu Show Nico (1980)”, “Gente Fina é Outra Coisa (1982)”, “Passa por Mim no Rossio (1992)”, “Residencial Tejo (1999-2002)”, “Doce Fugitiva (2007)” e “A Vida Privada de Salazar (2009)”, são alguns dos seus muitos trabalhos televisivos.

Borsatti também brilhou no grande ecrã em vários projetos. Estreou-se em 1957 com a comédia de Henrique Campos, “Perdeu-se um Marido”. Seguiram-se então várias longas-metragens, entre as quais, “Sangue Toureiro (1958)”, “Pão, Amor…e Totobola (1964)”, “O Ladrão de Quem se Fala (1969)”, “O Diabo era Outro (1969)”, “O Querido Lilás (1987)”, “A Mulher do Próximo (1988)” e o seu último trabalho no cinema, “A Corte do Norte (2008)”, filme de João Botelho.

Em 2007, a Câmara Municipal de Lisboa homenageou a atriz, condecorando-a com a Medalha de Mérito Municipal, no Grau de Ouro.

Artigos relacionados