Morreu a cineasta Agnès Varda, a mentora do movimento “nouvelle vague”

Realizadora Agnes Varda morreu aos 90 anos

Agnès Varda, realizadora e argumentista nascida na Bélgica, e a mentora do movimento “nouvelle vague” do cinema francês dos anos 60, morreu esta madrugada aos 90 anos. Segundo publicações francesas, a cineasta “morreu em casa na sequência de um cancro e rodeada pela família”.

Varda que se estreou na realização com “La Pointe-Courte (1955)”começou a destacar-se alguns anos depois com “Duas Horas na Vida de uma Mulher”. Em 1985 venceu o Leão de Ouro do Festival de Veneza por “Sem Eira Nem Beira” e em 2001 foi distinguida com um César honorário na cerimónia dos “Óscares” franceses e no qual, oito anos depois, venceu o César de Melhor Documentário por “As Praias de Agnès”.

Hollywood também reconheceu o seu trabalho e no ano passado foi-lhe atribuído um Óscar honorário pela sua carreira, na mesm altura em que o seu filme “Olhares Lugares” foi nomeado para a estatueta dourada de Melhor Documentário.

A sua última obra, “Varda por Agnès“, está prevista chegar aos cinemas portugueses a 11 de julho, um documentário imprevisível de uma fascinante contadora de histórias que Ilumina o seu trabalho como realizadora e a sua visão pessoal do que chama cine-escrita.

Artigos relacionados