“O Crime é Meu”: Uma comédia de época francesa de François Ozon

Depois de “Peter von Kant“, François Ozon está de volta aos cinemas portugueses com o filme “O Crime é Meu” (Mon Crime), uma comédia vagamente baseada na peça teatral de Georges Berr e Louis Verneuil, estreada em 1934, e que também serviu de base para os filmes “São Assim as Mulheres” (1937) e “A Mentirosa” (1946).

Nesta sua adaptação, Ozon escreveu um enredo atualizado, mas manteve o cenário dos anos 30 como forma de dar mais empoderamento às suas protagonistas face ao machismo da época.

Foto/Divulgação: Midas Filmes

No elenco, o cineasta francês reúniu um elenco de estrelas, entre as quais Nadia Tereszkiewicz, Rebecca Marder, Isabelle Huppert, Fabrice Luchini, Dany Boon, André Dussollier e Jean-Christophe Bouvet.

A ação decorre em Paris e conta a história de Madeleine Verdier (Tereszkiewicz), uma jovem e bela aspirante a atriz sem um tostão, que é acusada do assassinato de um produtor famoso. Ajudada pela sua melhor amiga, Pauline (Marder), uma jovem advogada desempregada, que alega legítima defesa. Absolvida do crime, Madeleine começa aí uma nova vida, feita de glória e sucesso, até que um dia a verdade bate à porta.

Foto/Divulgação: Midas Filmes

Em “O Crime é Meu”, que estreia esta quinta-feira, 31 de agosto, Ozon traz a nostalgia dos filmes do passado, misturando de forma óbvia o feminismo, a aversão e desprezo pelas mulheres, e a denúncia do machismo, um tema que se mantém atual.

Quer ficar a par de todas as novidades de cinema e televisão? Siga-nos nas redes sociais e não se esqueça de deixar um “like”!

Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e no Google Notícias. Pode ainda assistir aos trailers legendados no Youtube.

Artigos relacionados