Odisseia exibe nove horas de documentários dedicados à “Vida Submarina”

Odisseia estreia o especial Vida Submarina

Numa altura em que o país volta a entrar em confinamento devido à pandemia, o Canal Odisseia exibe o especial “Vida Submarina“, com nove horas de documentários exclusivamente dedicados às diferentes espécies que povoam as profundezas do oceano.

A partir das 16:00h desta sexta-feira, 15 de janeiro, a primeira proposta deste especial é a série documental “Oceano Selvagem“, composta por três episódios de sessenta minutos, que resulta de uma investigação científica de vanguarda que está a ajudar a explorar e a compreender o habitat labiríntico dos recifes de coral da zona oriental da Ásia.

“Filipinas”, “Indonésia” e “Japão” são os três episódios desta cativante série documental que mergulha de sexta-feira a domingo, dias 15, 16 e 17 de janeiro, às 16:00h, no habitat de um grande número de criaturas gigantes, minúsculos peixes de recife e coloridos corais, que construíram o seu lar nestas águas cristalinas.

As Lontras das Ilhas Shetland“, a maior população de lontras da Europa, são observadas há 30 anos por Brydon Thomason. Este documentário, exibido sexta-feira, 22 de janeiro, às 16:00h, mostra que estes simpáticos, mas extremamente tímidos animais, são dos poucos mamíferos no mundo que podem abandonar deliberadamente uma das suas crias para garantir a sua própria sobrevivência e a do resto da família.

Ao longo de dois anos, o operador de câmara submarina, Ken O’Sullivan, realizou uma série de mergulhos nas escuras e frias águas do Atlântico Norte, antigamente conhecidas como O lugar do Diabo, para tentar encontrar alguns dos maiores seres vivos do planeta, entre os quais, baleias azuis, cachalotes e recifes de coral.

Combinando sequências inéditas de vida selvagem, filmadas a 3000 metros de profundidade, com o testemunho de cientistas e pessoas com paixão pelo mar, que fizeram do oceano o seu modo de vida, “As Profundezas do Atlântico” é uma série de dois episódios (“O Oceano Aberto” e “Leviatã”), exibidos no sábado e domingo de 23 e 24 de janeiro, às 16:00h, que prestam homenagem aos primeiros navegadores e investigam o estado de saúde das águas das profundezas do Atlântico.

Convidado pelo cineasta e biólogo marinho, Richard Fitzpatrick, vencedor dum prémio Emmy, o naturalista, conservacionista e aventureiro Iolo Williams explora “A Grande Barreira de Coral” ao longo de três episódios exibidos de 29 a 31 de janeiro, sempre às 16:00h.

“O Norte”, “Perigo e Regeneração” e “As Origens” mostram que com 2400 km de comprimento, o recife é o maior organismo vivo do planeta que está, possivelmente, no momento mais crítico da sua história.

Artigos relacionados

Contribua com a sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *