“Periferias”: VIII edição do festival de cinema vai decorrer entre 6 e 11 de agosto

Festival Periferias 2020 vai decorrer entre 6 e 11 de agosto

Arranca nesta quinta-feira, 6 de agosto, a VIII edição do Periferias – Festival Internacional de Cinema de Marvão e Valência de Alcântara, que até ao dia 11 vai levar auma dezena de lugares de Portugal e Espanha, uma programação de cerca de vinte filmes, que abordam temas relacionados com o ambiente, os direitos humanos, arte e cultura.

Com um formato algo diferente do habitual, em resultado da situação pandémica que se vive nos dois países, a edição deste ano terá menos dias e menos palcos, o que não impede a organização de manter a proposta de apresentar cinema de qualidade e o compromisso com as populações da raia, em sessões noturnas, maioritariamente realizadas ao ar livre.

O Festival abrirá com o filme “O Que Arde“, do realizador galego Oliver Laxe, e oferecerá algumas novidades que incluem um sessão drive-in na localidade espanhola de Carbajo, no dia 7, e propostas de cinema online. Entre os palcos deste ano, contam-se Marvão, Santo António das Areias, Beirã, Ammaia, Olhos de Água, Fronteira de Galegos, Carbajo, Zarza La Mayor, Cedillo e Malpartida de Cáceres, estando a ser desenhado um plano de contingência com vista a assegurar o cumprimento de todas as normas necessárias para este período.

O programa dá particular destaque a algumas produções recentes do cinema português e espanhol, entre elas obras premiadas internacionalmente como é o caso do filme de abertura, distinguido com o Prémio do Júri no Festival de Cannes, ou de “Vitalina Varela” (dia 9, Marvão), do português Pedro Costa, aclamado no Festival de Locarno, onde conquistou o Leopardo de Ouro e, ainda, o Leopardo de Prata, para melhor actriz.

A completar as proposta de cinema ibérico estão os filmes “Barzakh”, de Alejandro Salgado, “Ara Malikian, Una Vida Entre las Cuerdas”, de Nata Moreno, os documentários “Santuário”, de Álvaro Longoria, produzido e apresentado por Javier Bardem, “Desenterrando Sad Hill”, de Guillermo de Oliveira, e “El Cuadro”, de Andrés Sanz, bem como “Três Realizadoras Portuguesas”, uma reunião de três curtas das jovens cineastas portuguesas Leonor Teles, Mariana Gaivão e Sofia Bost.

Como habitualmente, a programção do Periferias integra obras internacionais de relevo como é o caso de “O Paraíso, Provavelmente“, do realizador palestiniano Elia Suleiman, ou “Rafiki”, da queniana Wanuri Kahiu, que terá estreia absoluta em Portugal. O filme africano será exibido no segundo dia do festival, integrando um painel dedicado ao tema “Sexualidade e Género”, a par de um conjunto de curtas metragens chinesas.

Em Portugal, OPeriferias conta com os patrocínios da Câmara Municipal de Marvão, Comissão de Coordenação Regional do Alentejo e da Direcção Regional de Cultura e Turismo de Portugal. Do lado espanhol, os principais apoios são os da Junta de Extremadura, Filmoteca da Extremadura, Diputación de Cáceres e Ayuntamiento de Valência de Alcântara.

Para mais informações, consulte o site do Periferias, ou através das redes sociais oficiais no Facebook ou Instagram.

Artigos relacionados