Vencedores da 7ª edição do Festival Olhares do Mediterrâneo

Vencedores do Festival Olhares do Mediterrâneo 2020

Já são conhecidos os vencedores das secções competitivas da 7ª edição do Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival, que decorreu em formato presencial de 23 a 29 de novembro, e que continua até 10 de dezembro, em formato digital, na plataforma de streaming Filmin Portugal.

Que l’Amour“, documentário francês de Laetitia Mikles, foi o vencedor do Grande Prémio de Longas-Metragens, atribuído por unanimidade pelo júri internacional, que também atribuiu uma Menção Especial a “Between Heaven and Earth“, de Najwa Najjar, uma coprodução entre Palestina, Luxemburgo e Islândia.

“Entrando na intimidade e no quotidiano de um cantor amador, este filme revela um carismático jovem que ao descobrir a poesia de Jacques Brel, vai ao encontro das suas raízes argelinas. Filme emocionante de autenticidade e de simplicidade, a realizadora está sempre ao lado do seu personagem e protege-o”, lê-se na mensagem do júri sobre a obra vencedora.

Matriochkas“, de Bérangère Mc Neese (Bélgica, França) foi eleita a Melhor Curta-Metragem, enquanto que “Extra Safe“, de Nouran Sherif (Egito), “L’Age d’Or“, de Eric Minh Cuong Castaing” (França), e “Il Fagotto“, de Giulia Giapponesi (Itália), foram distinguidos com Menções Especiais.

Na secção Travessias, o prémio principal foi parar às mãos de Madeleine Leroyer por “#387“, um documentário coproduzido entre França, Bélgica e Itália. O documentário israelita “A Fish Tale“, de Emmanuelle Mayer, recebeu uma Menção Especial.

Por fim, na competição Começar a Olhar, o prémio de Melhor Filme foi para “Stepless”, uma coprodução lusa-alemã realizada por Nadège Jankowicz. “Sonder“, de Ana Monteiro (Portugal/Polónia), “Still Life“, da portuguesa Francisca de Abreu Coutinho, e “Cindy“, de Shemer Gaon Baraba (Israel), foram distinguidos com Menções Honrosas.

Artigos relacionados