Vencedores do Prémios César: “Os Miseráveis”, Polanski e… muita polémica

Vencedores do Prémios César 2020

Decorreu ontem na sala Pleyel, em Paris, a cerimónia de entrega dos prémios da 45ª edição dos César, um evento promovido anualmente pela Academia Francesa de Cinema para homenagear o melhor da produção cinematográfica do país, e popularmente conhecidos como os “Óscares” do cinema francês.

Como era de esperar, a gala, apresentada pela comediante Florence Foresti, decorreu sobre uma forte pressão e muita polémica sobre as nomeações de Roman Polanski pelo seu “J’Accuse – O Oficial e o Espião“, cineasta que tinha anunciado anteriormente que não ia comparecer à gala.

Mesmo antes da cerimónia começar, vários manifestantes repetiram palavras de ordem como “Prendam Polanski”, ao mesmo tempo que empunhavam cartazes contra o cineasta, um ambiente hostil que se estendeu à festa, com momentos de grande constrangimento e protestos.

Protestos contra Polanski nos Prémios César

Um dos momentos mais marcantes da noite aconteceu quando Polanski foi anunciado como Melhor Realizador, um prémio recebido com poucas palmas entre os presentes, levando ao abandono da sala por muitos deles, incluindo a atriz Adèle Haenel, logo seguida por Céline Sciamma. Momentos antes, Polanski também tinha arrecadado o prémio de Melhor Argumento Adaptado, um troféu partilhado com Robert Harris, além do filme ter sido distinguido como Melhor Guarda-Roupa.

Já sem grandes motivos para celebrações, a “festa” termina com o anúncio da vitória de “Os Miseráveis“, de Ladj Ly, como Melhor Filme, o terceiro galardão da noite, aos quai se juntaram o César do Público.

Destaque ainda para mais um prémio obtido por “Parasitas“, de de Bong Joon-Ho, eleito como Melhor Filme Estrangeiro, e”J’Ai Perdu Mon Corps”, de Jérémy Clapin, distinguida como Melhor Animação.

Lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME
– “Os Miseráveis”

MELHOR REALIZADOR
– Roman Polanski (J’Accuse – O Oficial e o Espião)

MELHOR ATOR
– Roschdy Zem (Roubaix, une Lumière)

MELHOR ATRIZ
– Anaïs Demoustier (Alice e o Presidente)

MELHOR ATOR SECUNDÁRIO
– Swann Arlaud (Graças a Deus)

MELHOR ATRIZ SECUNDÁRIA
– Fanny Ardant (A Belle Époque)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
– Alexis Manenti (Os Miseráveis)

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
– Lyna Khoudri (Papicha)

MELHOR PRIMEIRO FILME
– “Papicha”, de Mounia Meddour

MELHOR FILME ANIMAÇÃO
– “J’Ai Perdu Mon Corps”, de Jérémy Clapin

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
– “Parasitas”, de Bong Joon-ho

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– “M”, de Yolande Zauberman

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL
– Nicolas Bedos por “A Belle Époque”

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO
– “J’Accuse – O Oficial e o Espião”

MELHOR FOTOGRAFIA
– “Retrato de uma Rapariga em Chamas”

MELHOR MONTAGEM
– “Os Miseráveis”

MELHOR SOM
– “Ameaça em Alto Mar”

MELHOR MÚSICA ORIGINAL
– “J’Ai Perdu Mon Corps”

MELHOR GUARDA-ROUPA
– “J’Accuse – O Oficial e o Espião”

MELHOR DESIGN PRODUÇÃO
– “A Belle Époque”

MELHOR CURTA-METRAGEM
– “Pile Poil”, de Lauriane Escaffre e Yvonnick Muller

MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO
– “La Nuit des sSacs Plastiques”, de Gabriel Harel

CÉSAR DO PÚBLICO
– “Os Miseráveis”

Artigos relacionados