“Tesnota”, de Kantemir Balagov venceu o 11º Lisbon & Sintra Filme Festival

“Tesnota”, drama do jovem realizador russo Kantemir Balagov, foi o vencedor da 11ª edição do Lisbon & Sintra Filme Festival, ao arrecadar o Prémio de Melhor Filme Jaeger-LeCoultre. Pela sua interpretação no filme, a atriz Olga Dragunova, protagonista do filme, levou o Prémio Prémio Revelação TAP.

Entre os premiados está também a produção do realizador dominicano Nelson Carlo de Los Santos Arias, o drama “Cocote”, distinguido com o Prémio Especial do Júri João Bénard da Costa.

Nesta edição do LEFFEST, os espectadores tiveram pela primeira vez a oportunidade de escolher o melhor Filme do Festival. A votação do público atribuiu o Prémio NOS ao drama romântico do italiano Luca Guadagnino, “Chama-me Pelo Teu Nome” (Call Me By Your Name), filme que está bem cotado para a próxim edição dos Óscares.

A organização também distingue o trabalho dos alunos das Escolas de Cinema Internacionais. “A Man, My Son”, da escola francesa La Femis, realizada por Florent Gouëlou, foi cionsiderda a Melhor Curta-metragem. Nesta secção, foram atribuídas menções honrosas a “Les Yeux Fermés”, de Léopold Legrand e “Heimat”, de Emi Buchwald.

Abel Ferrara, Enrique Vila-Matas, José Vieira, João Mário Grilo, Robert Pattinson e Dominique Gonzalez-Foerster, foram os cineastas e artista que foram galardodados na sessão de encerramento, onde foram anunciados os vencedores.

O júri da edição de 2017 do Lisbon & Sintra Film Festival, composto por David Cronenberg, Ildikó Enyedi, Hanan Al-Shaykh, Momo Kodama e Ersi Sotiropoulos, atribuiu os seguintes prémios:

Prémio Melhor Filme Jaeger-LeCoultre
– “Tesnota”, de Kantemir Balagov

Prémio Especial do Júri “João Bénard da Costa”
– “Cocote”, de Nelson Carlo de Los Santos Arias

Prémio Revelação TAP – Melhor Actriz
– Olga Dragunova por “Tesnota”

Prémio NOS Melhor Filme – Escolha do Público
– “Chama-me Pelo Teu Nome”, de Luca Guadagnino

Prémio para a Melhor Curta-Metragem
– “A Man, My Son” de Florent Gouëlou

Menções Honrosas:
– “Les Yeux Fermés”, de Léopold Legrand
– “Heimat”, de Emi Buchwald

Artigos relacionados